Ter um sonho – Prosa

Tive um sonho. 50 anos depois, o mesmo sonho de outro homem que teve o sonho de outros tantos há 50 anos antes de seu sonho. Sonho que sonhamos juntos. Sonho de liberdade, dos livres juntos. Sonhos daqueles que nenhum divã pode dar sentido, porque é nas ruas que encontramos seus significados.

Tive um sonho. Sonho destes que revertem as cores do que vivemos quando acordados. Sonho em que o jovem negro possa seguir sua vida. Que a negra, o latino, que ninguém seja reduzido aos estereótipos dos pesadelos mais torpes que a nossa sociedade reproduz. Tive um sonho.

Sonho que as terras distantes não eram maculadas por sangue oprimido. Sonho em que as cidades seriam alternativas viáveis. Sonhos em que as periferias seriam centros, e os centros distribuídos.

Somos feitos das matérias de nossos sonhos, diria um louco há mais de 50 décadas atrás.

Quando despertos, o sonho ainda permanece, silencioso. Tive um sonho, e ele pulsa. Reconheço de vez em quando este sonho no olhar de alguém, no gesto ou na tristeza. Sonho que sofre para se tornar realidade.  Desperto, acorda no desespero. E é na esperança dos desesperados que estão as verdadeiras lutas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *